BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

Nº DE ACESSOS

contador free

FOTOS DO LANÇAMENTO DOS LIVROS HUMANITY/TESSITURAS E DERRADEIRA PLUMAGEM 26/07/2013

FOTOS DO LANÇAMENTO DO LIVRO HUMANITY/TESSITURAS

Gente,

Eu Sílvia Oliveira lancei o livro de poemas em inglês ! (O Volpato parelhou-os em língua nacional)
O título 'Humanity / Tessituras' está aqui no blog; podem ler e copiar !

clique para ler HUMANITY / TESSITURAS

POSTAGENS RECENTES

AMIGOS DO MIST

Obrigada por visitar e comentar as postagens

Let´s Study English !

(Grupo até 4)
* Desenvolver habilidades
* Fortalecer comunicação
*Atender clientes c/ excelência
e qualidade

*Informações- Sílvia Oliveira

3421 0451 - 9375 8695/8335 0737

Email : oliveirasylvia7@hotmail.com
Blog: http://mist-silvia.blogspot.com.br

terça-feira, 16 de agosto de 2011

HINO À VIDA - Paulo Mendes Campos



Continuar a primeira palavra escrita,
Continuar a frase, não resigná-la
A temor, imperfeição, náusea,
Continuar com imenso trabalho
(Irreconhecível bosque do abstrato),
Doam os músculos e os cães ofeguem,
Continuar através do fogo e da água,
Em nome do fogo e da água,
Continuar desejando, farejando,
Por despeito e ambição continuar,
Não abrir muito os olhos,
Não cerrá-los demasiado,
Continuar por esta rua sem fé,
Como o cego devassado de um sol morto,
Como um anarquista de sensações,
Místico do prosseguimento,
Advogando a persistência, a engrenagem,
Continuá-las, idéia, sensibilidade, diferenças,
Porque não se pode parar,
Continuar com a paixão e sem ela,
Como um pugilista fatigado,
Com a disciplina da expedição guerreira,
A ferocidade histórica do saque,
Continuar, não desistir, não esmorecer,
Não refletir intensamente,
Acompanhando a órbita essencial da natureza,
Como os depósitos minerais,
A vida imperceptível do cristal,
A desagregação da vontade,

Como o crime caminhando, onde, quando,
O explorado por um sentimento,
Um camelo magro,
Continuar, ó máquina palpitante, ó vida,
A comiseração não refreie o nosso hálito
Continuar como um jogador que perde
E se parar há de faltar-lhe alento e vida,
Continuar continuando,
Como um soldado em guerra,
Um mensageiro de tempo evangélico,
Um condenado à morte que-não-pode-morrer-antes-da-morte,
Um navio a fazer água,
Um rato, um gigante,
Porque seria perigoso demorar,
Ceder à tentação de um vôo incalculável,
Porque a idéia do não continuar existe em nós,
Símbolo fechado, êmbolo de resoluções imprevistas,
Continuar, reação em cadeia de minutos incoerentes,
Chama que se alastra de momentos opacos,
Como os antepassados continuaram,
As águas míticas, o espírito da treva,
Continuar,
A despeito de humilhações, do medo,
Dos vagares do amor,
Continuar com as unhas, os pulmões, o sexo,
Sem medir a iniciativa e o resultado,
Sem comparar nossos poderes e os alheios,
Continuar como alguém, construindo e desmanchando,
Continuar como todas as ações continuam,
E no tempo se prolongam estranhamente,
Continuar porque não se pode senão continuar,
Emparedado em dois tempos,
Toda a podridão do remorso,
Toda a vontade de não continuar,
Árido este mundo,
Porque a vida é sempre a vida, a mesma vida.
Porque não se pode,
Porque, se parássemos, ouviríamos um estrondo
E depois, perturbados, o silêncio do que somos.

0 COMENTE AQUI:

Poemas de Safyra também no YouTube

Textos Poéticos de Safyra

ARQUIVO

NAUFRÁGIO

Black Wolf Tribute - Long Life to the wolves

ÍNDICE